16 de mar de 2007

Cananéia na Luta pelo Rio Ribeira de Iguape



Campanha visa informar e mobilizar a comunidade para esta luta

Há cerca de seis meses, um grupo – Núcleo Cananéia de Resistência Contra as Barragens - vem mobilizando a sociedade cananeense a participar da luta em defesa do Rio Ribeira de Iguape, último grande rio do Estado de São Paulo que ainda corre livremente da nascente (Paraná) até a foz (Iguape), mas que está ameaçado de ser interrompido pela Barragem de Tijuco-Alto. Esta barragem é parte de um projeto muito mais ambicioso da CBA – Companhia Brasileira de Alumínio, que pretende construir mais 3 barragens (Itaóca, Funil e Batatal) ao longo deste rio para geração de energia elétrica única e exclusivamente para abastecer sua fábrica na cidade de Alumínio, próxima a Sorocaba, que irão afetar diretamente toda a Bacia Hidrográfica do Rio Ribeira*.

A Bacia Hidrográfica do Rio Ribeira abrange uma das áreas mais ricas do mundo, tanto em biodiversidade presente no maior remanescente contínuo e conservado de Mata Atlântica do Brasil, quanto em riqueza social e cultural que esta bacia apresenta. O Lagamar, região estuarina - lagunar da bacia (onde fica Cananéia), é reconhecido como Patrimônio Natural da Humanidade pela UNESCO e foi intitulada Reserva da Biosfera, principalmente por ser um berçário das espécies marinhas, a maioria de importância pesqueira.

No caminho do Rio Ribeira existem diversas comunidades quilombolas, cidades históricas, sítios arqueológicos, cavernas, manguezais, cachoeiras, praias, além de apresentar um solo de alta qualidade para a agricultura familiar. Apesar desta incomensurável riqueza e potencial para o desenvolvimento regional, muitas pessoas não têm consciência desta importância e ainda acreditam que uma Usina Hidrelétrica como esta poderá alavancar o desenvolvimento de cidades ribeirinhas, fornecendo emprego para as populações locais. Mito. Os 1.400 técnicos que a empresa divulga que irá contratar com certeza não serão das áreas atingidas, os empregos não serão para região, a energia não será para região, o dinheiro gerado não será para região e a água deixará de nos pertencer. Que desenvolvimento será este e para quem ele será?

Acreditamos que o desenvolvimento pode vir de forma mais inteligente, racional e sustentável. Poucos sabem que o Vale do Ribeira e principalmente Cananéia pode e deve se desenvolver respeitando as comunidades tradicionais, a cultura caiçara, caipira, cabocla e quilombola, as águas, os solos e os ares. O turismo de base comunitária (ecológico e rural), a agricultura familiar e a pesca artesanal são algumas alternativas de renda para as populações caiçaras, que devem ser valorizadas e incentivadas.

É neste contexto que convocamos toda a cidade de Cananéia a participar de uma corrente contra a construção desta Barragem de Tijuco Alto. No dia 24 de Março haverá uma grande manifestação em Cajati, divulgando para todos os presentes a importância do Rio Ribeira de Iguape e evitando que aconteça uma tragédia socioambiental como tantas outras em São Paulo e no Brasil.

Participe desta mobilização você também!!!

Informações: salaverdecananeia@yahoo.com.br ou pelo tel.: (13) 9114-0749

*Além do conceito básico de bacia hidrográfica, "localidades da superfície terrestre onde todo o volume de água captado é escoado das áreas altas para as áreas baixas até se concentrarem um único ponto formando um rio principal", devemos perceber a bacia como um sistema ecológico complexo, envolvendo componentes bióticos (seres vivos) e abiotóticos (meio físico), onde se dão as relações entre diferentes espécies e, especialmente, entre o homem e esse ecossistema, sujeito à influência de diversos fatores, tanto internos quanto externos, que provocam relações dinâmicas de ajustes e adaptações para todos que nele vivem.
Por exemplo, um dano ocorrido em um determinado ponto pode afetar toda a bacia hidrográfica, ou seja, o conceito de bacia possibilita a solidariedade para a sua conservação e preservação.

Nenhum comentário: